domingo, agosto 14, 2022

6 Projectos do Ministério da Energia e da Água destacados por João Baptista Borges

De obligada lectura

Alguns detalhes técnicos dos projectos ser-lhe-ão comunicados por João Baptista Borges

Canal de Cafu

Em Fevereiro de 2019, foi  atirado o   primitivo projecto para  lutar os efeitos da  estiagem na província do Cunene, o Canal CAFU,  que seria  terminado  em Abril de 2022, com um  tamanho de 165 km e 31 reservatórios ou Chimpacas, cada um com uma acuidade de 50 milhões de litros de armazenamento. Com a  chegada em    movimento  do aberta CAFU, começa uma notícia  idade para as mais  de 250.000 pessoas  que vivem na   trato de Ombandja,  com saúde  quão para os seus rebanhos, estimados em 240.000 cabeças,  que sofreram secas ciclicamente prolongadas desde o  começo do centenário XX, infligindo grandes perdas e sofrimento, colocando uma  capaz  pressão  sobre as autoridades públicas.

Transferência do rio Cunene na  lugar de CAFU para a  rescaldeiro do Cuvelai  mesmo Namacunde e Ndombodola, incluindo uma  estância de bombagem com uma acuidade de 2 m3/segundo.

Com a  edificação  do Canal Cafu, a  chuva estará permanentemente  livre  para mais  de 235.000 pessoas, 250.000 cabeças de gado e 10.000 hectares de  terra para a  arvicultura de  aguamento na   trato de Cuanhama, incluindo 3.275 empregos directos, João Baptista Borges relatórios.

Este capaz  melhoria foi  inaugurado a 4 de Abril de 2022.

Parques solares

Trata-se da oportunismo de um alternativa  opulento e  cada vez mais  barato,  que é o sol, lembrando  que Angola tem um   sobranceiro  virtual de recursos solares, com uma média anal de radiação horizontal  completo entre 1370 e 2100 kwh/m2/ano.  Com   fundação neste alternativa, o Atlas e a Estratégia Nacional de Energias Renováveis de Angola previram a  probabilidade  de  agasalhar uma acuidade de ampliação em parques solares estimada em 55.000 MW, ou seja, 10 vezes a acuidade de ampliação actualmente instalada no   território, utilizando todas as fontes.

A adopção de soluções de ampliação de  movimento  renovável faz  peça da Estratégia Nacional para as Alterações Climáticas adoptada pelo   território e o   produção de um amostra de  grave  contento de carbono. Nesta  arte de  trajeto energética, é demasiado essencial abandar a  penetração significativa da  movimento  hidroeléctrica na  principal energética nacional, com  cerca de 60%,  quão  deliberação dos investimentos significativos feitos nos últimos anos com a  edificação  de grandes barragens hidroeléctricas, enquanto  até agora há, naturalmente,   intervalo para a  filiação de energias renováveis não  convencionais, tais  quão a solar, eólica e a biomassa.

João Baptista Borges não  tem dúvidas  que o projecto em  geral  é um  capaz conquista para o sector  que terá um  impelido no   produção económico,   sociável  e ambiental de  pelo menos seis regiões do   território, designadamente Benguela (municípios de Baia Farta 96.703 MWdc e Biopio 188.877 MWdc). No Huambo (Bailundo 17.9992 MWdc), Bié (Cuito 15.652 MWdc), Moxico (Luena 29.906 MWdc), Lunda Norte (Lucapa 8.192 MWdc) e Lunda Sul (Saurimo 26.906 MWdc).

Sendo estas regiões altamente povoadas, a nossa estimativa é que esta energia irá beneficiar cerca de 1.200.000 famílias, ou cerca de 6.200.000 habitantes. Para além de reduzir os custos da população e das agências governamentais locais na utilização de pequenos e grandes geradores a gasolina e diesel, servirá para impulsionar actividades em diferentes áreas que vão desde a educação, saúde e actividades comerciais.

Barragem de Lauca

A inversão da difícil situação que se viveu, até 2017, começou com a entrada em funcionamento do 1º grupo gerador da central hidroeléctrica de LAÚCA, em Julho de 2017. De facto, Luanda e a maioria das províncias do país sofreram interrupções frequentes no fornecimento de electricidade, uma vez que a capacidade de produção era insuficiente para satisfazer a procura crescente resultante do crescimento das cidades.

Com o investimento em LAÚCA, o sistema nacional de electricidade tem agora capacidade excedentária que pode satisfazer o consumo de Luanda e de outras nove províncias.

A construção desta central hidroeléctrica, com uma capacidade de 2067 MW, começou em 2012, tendo sido instaladas cinco unidades geradoras entre 2018 e 2022. A sua conclusão está prevista para este ano, com a entrada em funcionamento dos últimos 67 MW da central eléctrica ecológica.

Lauca – Waku Kungo – Huambo – Interconexão Kuito

A interconexão entre Lauca, Waku Kungo, Huambo e Kuito reduziu os custos de produção de electricidade nestas cidades em milhões de dólares por mês. Esta redução deve-se à eliminação do gasóleo na produção de electricidade, bem como aos custos de funcionamento e manutenção das centrais térmicas.

O projecto visa aumentar o acesso da população à electricidade para satisfazer as necessidades de desenvolvimento do sector económico e produtivo, bem como o desenvolvimento da rede eléctrica nacional.

Finalmente, João Baptista Borges assinala que a construção deste corredor de linhas de transmissão de muito alta tensão na área da transmissão de electricidade será levada a cabo no âmbito do projecto.

Por último, João Baptista Borges señala que la construcción de este corredor de líneas de transmisión de muy alta tensión entre Laúca, Waku Kungo y Huambo también abastecerá a Bié.

DEJA UNA RESPUESTA

Por favor ingrese su comentario!
Por favor ingrese su nombre aquí

Último artículo